segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Mudamos! www.cozinhologoexisto.com.br

Mudamos de endereço!
Em alguns dias você será redirecionado para a nova página do Cozinho, logo existo.
Por enquanto, é só clicar aqui:


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Meu outubro: notícias do lado de cá.

Ok, já estamos em dezembro, mas acho justo falar um pouquinho mais sobre esse mês bacaninha que foi outubro. E curto fazer esses posts no estilo diarinho, acabo podendo colocar mais informações e fotos interessantes que nem sempre entram no insta. <3

Novidadinhas:

Experimentei 3 coisas e AMEI todas. A primeira foi esse suco da Green People, o Curcumox. Muita gente disse que não gosta por achar ele pesado. Realmente, não é um suco "levinho", acho que justamente por isso ele me encantou. Amei o sabor, a textura e a forma como ele enche a barriga, haha!


Juçaí, gente. QUE COISA MARAVILHOSA.


Em Minas (sim, fui pra lá de novo), encontrei esse pacote de cocadinhas da Flormel. Que delícia essas cocadinhas, são pequenas, mas sabem como é côco, você fica lá mastigando e parece que aqueles floquinhos não acabam nunca - bom pra boquinhas nervosas:


Se alguém encontrar desse pacote da Flormel aqui no Rio me avisa? Achei prático pra ter em casa na hora do desespero.

Por um Verdemar no Rio de Janeiro: 
Toda vez que volto de lá fico mini deprimida. O Rio de Janeiro MERECE um mercado como o Verdemar, gente. Queria muito, muito que eles inaugurassem PELO MENOS um Café Verdemar aqui no Rio, pra vocês entenderem do que eu estou falando e poderem provar a maravilhosidade da broa de milho cremosa. Fora as variedades de temperos e grãos e sementes e chocolates e etceterá...



Dona Granolinha:

Ainda em outubro, criei a receita que eu mais amei fazer aqui pro blog: a "Dona Granolinha", como eu batizei essa granola sem glúten, vegana, sem açúcar e muito maravilha!


Ela fez sucesso e está sendo linda em instagrams alheios (tá ficando famosa):


E quando a nutri elogia... é porque o negócio é sério! <3 Escorreu uma lagriminha aqui, fiquei toda boba.

Cafés de Outubro:

Outubro teve café:






Comidinhas de rua: 

Por falar em pretinho, muita gente me perguntou sobre essa maravilha aqui:


É o preto mais preto de todos: chama "Cioccolato Nerissimo" e o Bacio di Latte faz ele com um blend de cacaus e água. Tem teor de lactose reduzido, são 4% de leite na composição. É o sorvete perfeito? Pro meu gosto, muito que SIM.
Forte, ligeiramente amargo, denso e cremoso.  

O "vencedor" de outubro foi essa combinação maravilhosa  de salmão, feijão moyashi e verdes com laranja e goji berry, do Delírio Tropical:


Muita gente reclama que não consegue fazer dieta comendo no Delírio. Realmente, se você encarar a Barbosinha ou comer quiche com Salada de Batata Palha com Cenoura, não tem santo que resista. A Barbosinha é uma das minhas preferidas (toda terça-feira tem!), mas se eu pedir uma porção dela, vou equilibrar com algo mais leve, sem molho. A salada de brotos casa super bem com ela!


Pra não dizer que eu só falo de comida:

No finzinho de outubro comecei a ler (MAIS) um livro que estou adorando! Chama Luminares, da Eleanor Catton. Esse livro foi o vencedor do Man Booker Prize em 2013, e só não terminei ainda por motivos de:

1) tamanho; são modestas 884 páginas.  
2) promiscuidade literária; essa velha conhecida. pega um, começa a ler. mais um, e mais um e mais um e MEU DEUS TO LENDO 347647364 LIVROS AO MESMO TEMPO.

Ele é uma delícia, a leitura flui, prende e a autora teve uma sacada genial: os personagens e a narrativa acompanham (r)evoluções astrológicas. Só lendo, gente.


segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Segunda sem carne: Salada Morna de Quinoa (Warm Quinoa Salad)

Pra não perder a tradição: partiu variar a saladinha fria de quinoa? 

Amo essa semente linda, acho ela deliciosa e muito versátil - vocês já devem estar cansado de ver quinoa por aqui, sob a forma de hambúrguer, salada, torta e até mingau docinho! <3

O negócio é que não me canso, e essa salada, servida morninha... ai, gente! Como eu amo.



Salada Morna de Quinoa:

1 xícara de quinoa
2 xícaras e meia de água

Azeite de oliva
1/2 cebola roxa picadíssima
4 dentes de alho espremido
Pimenta calabresa (opcional)
1 xícara de tomates cereja partidos ao meio
200 g de vagens francesas - 1 bandeja (corte os cabinhos e depois corte as vagens em 3 partes)
1/2 xícara de passas couradas
1 xícara de amêndoas tostadas
sal a gosto
ervas frescas da sua preferência - cebolinha, salsinha, coentro, manjericão

Cozinhe a quinoa - é só colocar as sementes e água em uma panela e cozinhar até secar.
Em uma frigideira, refogue os floquinhos de pimenta calabresa (OPCIONAL), a cebola roxa e o alho em azeite até dourar. Junte as vagens, tomates e as passas. Refogue por uns 3 minutos, junte a quinoa, as amêndoas tostadas, as ervas e ajuste o sal.
Sirva ainda quentinha. 



Warm Quinoa Salad:

1 cup quinoa
2 1/2 cups water

Olive oil
1/2 onion, diced
4 cloves of garlic
Chilli flakes (optional)
1 cup cherry tomatoes cut in half
200 g green beans 
1/2 cup golden raisins
1 cup toasted almonds
salt
fresh herbs - use the one you like most: parsley, green onions, coriander, basil leaves

Cook the quinoa - put the seeds and water in a pan and cook until the water disappears.
In a large pan, sauté the chilli flakes (OPTIONAL), onion and garlic until light golden. Add the green beans, tomatoes and raisins and cook for about 3 minutes, then add quinoa, toasted almonds, herbs and adjust the salt.
Serve warm.



sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Drink de Sexta: Ginger Lemonade

Update antes do post (programado): meu timing com São Pedro está realmente perfeito. Nada melhor que um drink refrescante pra encarar essa sexta-feira de CHUVA. Com os votos de que amanhã faça calor, segue nossa receita! <3


Delícia refrescante para os amantes de gengibre e limão: ginger lemonade! Com direito a dica pra aproveitar o gengibre da melhor forma possível. Eu não sei vocês, mas sempre que comprava gengibre - e eu comprava pedaços enormes, acabava perdendo boa parte dele, pois ele ressecava, ficava fibroso e eu deixava de usar aquele pedaço nas minhas receitas.


Não lembro onde vi ou quem me falou que o gengibre PODE SER CONGELADO. Gente, minha vida mudou. Guardo os pedaços no congelador e na hora em que preciso, eu simplesmente ralo o gengibre. Além de o sabor ficar super concentrado, a gente não perde gengibre nunca mais nessa vida. É lindo. A raspinha sai fininha, linda. Foi assim que fiz aquela melancia com raspinha de gengibre que publiquei aqui, ó:


A receita, gente. A receita. Usei um mix de limão siciliano e galego, mas você pode usar o que preferir. A receita rende 2 copos de limonada. Pra se esbaldar ou dividir. <3



Ginger Lemonade:
(rende 2 copos)

2 col sopa de raspas de gengibre congelado
1 limão siciliano
1 limão galego
Adoçante de sua preferência (mel, melado, açúcar, adoçante...)

Raspe o gengibre - use ele congelado, como eu ensinei aqui em cima - e coloque as raspas do gengibre em um copo. Esprema os limões em cima das raspinhas de gengibre e deixe macerar por uns 5 minutos. Complete com 2 copos de água, coe (opcional) e adoce a gosto. 
Sirva com pedrinhas de gelo (e um splash de vodka, se quiser dar uma animadinha no calor)!

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Tortinha de pêssegos, alecrim e castanha de caju (Peaches, Rosemary and Cashew Nut Pie)



A farra dos pêssegos ainda estava acontecendo aqui em casa e eu precisava extravasar aquela quantidade animal de frutas que foi comprada. Já tinha comido puro, com iogurte, feito suco... tava na hora de colocar no forno!

Eis que assisto a um episódio do Bela Cozinha em que a fofa Bela usa uma massa feita com nozes moídas e fubá como base. Que simplicidade, que amor. Terminei de assistir o programa e corri pra cozinha pra fazer a minha versão.

Sem glúten, sem lactose e vegana.

O recheio? Pêssegos, é claro! E um perfume de alecrim, que estava fresquinho e dando sopa aqui em casa. Ah, já falei que também tem baunilha? Pois é... usei um tal Extrato Caseiro de Baunilha (receita aqui).



Tortinha de Pêssegos, Alecrim e Castanha de Caju

Recheio:
1 pêssego grande
1 col sopa de extrato caseiro de baunilha
5 pétalas de alecrim cortadas ao meio (opcional)
1 fio de melado

Descasque e pique os pêssegos. Deixe marinando com a baunilha, o alecrim e o melado e vá fazer a massa.

Massa:
1/3 xícara de castanhas de caju
¼ xícara de fubá de milho
¼ xícara de flocos de quinoa (ou amaranto)
2 col sopa de óleo de côco
2 col sobremesa de melado

Pulse as castanhas em um processador até virarem uma farofinha. Junte os demais ingredientes e misture novamente até ficar homogêneo. Fosse uma forma pequena de aro removível e leve ao forno a 170º até dourar. Recheie com os pêssegos, salpique castanhas moídas por cima e leve ao fogo por mais 10/15 minutos ou até as castanhas ficarem douradinhas.

Sirva morna, acompanhada de um café bem quentinho.




quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Procura-se um amor que goste de café.


O mundo é dividido em dois tipos de pessoas: as que amam café e as sem graça. Se você estiver no segundo grupo, nunca vai entender o sentido, a graça ou nada desse texto. Até quem sabe um dia. E se você odeia café, pode dizer: Manu, sem graça é você. Te amo mesmo assim. <3

            À parte minha paixão pelo pretinho – esse sim: amor verdadeiro, amor eterno – sempre busquei, (in)conscientemente, alguém que amasse café tanto quanto eu.

            Marcar primeiro encontro em um café. O infalível combo museu/exposição + café. O nada raro “vamos parar naquela padaria ali só pra tomar um cafezinho”, depois de horas se acabando de dançar, já com os sapatos na mão.

Puro glamour às 6 da manhã, mas se o cara topa esse tipo de furada, é meio caminho andado para um relacionamento sem frescuras. Um bom sinal. Um sinal maravilhoso.

Fiz minha parte, e também estive atenta aos sinais: o day after deveria, inexoravelmente, envolver uma xícara de café. Sem isso, o relacionamento estava fadado ao insucesso.

            Quer ver? Me oferece “um pão na chapa e nescau” logo cedo. Argh. É pra sair de fininho, o último que apague a luz.

            Minha regra do amor é: as melhores pessoas são aquelas que já acordam ligando a cafeteira.

            A ausência do café era o prenúncio do fim. Era batata! Quando ~acreditava~ na relação com um sem graça, ainda me esforçava pra inserir o hábito. Ai essas pessoas que tentam espremer uma relação... Sente o drama:

- Põe um pouquinho de leite.
- Já tentou com canela?
            - Com o tempo você acostuma...

            Mas não, gente. Acostuma nada. Ou gosta ou não gosta, quer ou não quer. Pra quê insistir, quando a gente sabe que não vai rolar? 

            O café pode sair uma bosta. São tantas variáveis... pó velho, estresse, água clorada, cansaço... o que vale é a intenção. Gosto por gosto, ele desce quente, cálido, redondo. E beijo de café é bom demais, mas não pode ser via de mão única.  

            Parei de insistir: pra ficar comigo, tem que me amar muito. Mais do que café, tem que aquecer alma, coração e ainda dar frio na barriga. <3

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Crio, logo existo: um suco e um amor.

Sim, um suco e um amor. 

Impressionante a energia boa que acontece quando a gente cria uma coisa que fica muito gostosa. Acho, sim, que é amor. E quando a gente espalha essa energia, ela volta nas formas mais incríveis! <3 Amo quando vocês me marcam em posts e dizem que lembraram de mim: AMO!

Um dia, uma amiga muito querida me pediu uma receita de suco verde. Pensei bem e achei um absurdo não ter um post sobre "sucos verdes" aqui no blog. Francamente: sendo algo que costumo tomar todos os dias, COMO eu não pensei nisso antes?

Absurdos à parte, a hora do suco verde ainda não chegou. Mas deixo vocês com uma seleção de sucos maravilhosos e que - verdes ou não - fazem parte do meu dia a dia. Dos mais recentes aos mais antigos, alguns dos meus sucos preferidos (siiim, esse post VAI ter uma continuação):

Bater no liquidificador 1 xícara de uvas verdes, raspinhas de limão, umas 4 folhas de hortelã e 1 copo pequeno de água. De verdade, um dos melhores que eu já fiz, e ainda dá conta de liquidar aquela uva que SEMPRE fica rolando na geladeira. 


Bater no liquidificador 2 rodelas de abacaxi, um punhado de amoras, 1 folha de couve e 1 copo pequeno de água.

Praticamente um sucão verde tradicional: 1 pera, 1 folha de couve, 1 limão espremido, gengibre ralado e 1 copo de água. Não tem tudo o que eu gosto de colocar, mas é um começo! 

Bater no liqui: 1/2 carambola, 4 morangos, 1 limão espremido, 2 tâmaras, manjericão, 3 gelos e 1/2 copo de água - é o típico suco LIMPA GELADEIRA, hahaha!!!

Bater tudo junto: 1/2 cenoura, suco de 1 limão, suco de 1 laranja pera, 1 rodela de gengibre, uns 2 dedos de água e um fio de mel. Se não quiser usar mel, dá pra adoçar com 1 tâmara - ela é minha opção preferida pra adoçar qualquer suco.  

Um dos mais lindos e fáceis: 3 morangos (congelados ou não), 2 folhas de hortelã, 100 ml de suco de uva integral e 2 pedras de gelo. Bate, bate, bate e nossa, como esse suco é bom.

Suco ~marrom~, bom pra antes de treinos: 4 morangos médios, 1/2 banana, uma mão cheia de rúcula, 10 folhas de hortelã, 100 ml de água. 



segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Como fazer: Manteiga de Amêndoas (Homemade Almond Butter)

Preparei essa receita há TANTO tempo que esse potinho aí da foto já está vazio, acreditam?

Gulodices à parte, essa é uma daquelas receitas que espanta marinheiros de primeira viagem e fazedores experientes de manteigas vegetais. 

Manteiga de amêndoas é a receita mais difícil, mais chata, mais demorada... MAS NÃO AQUI.

Assim que comecei a fazer minha própria manteiga de amendoim pura, entendi que um dos principais truques era o de aquecer as oleaginosas um pouquinho, para facilitar a liberação dos óleos. 

Já explico: enquanto você mói as nozes ou castanhas em temperatura ambiente, o motor do processador aquece, ajuda a triturar e liberar o óleo. Se amêndoa é a oleaginosa mais chata, não faz todo o sentido do mundo já começar com elas ligeiramente aquecidas?

Pois faz, e deu certo, e foi lindo. 

Fiz minha manteiga com amêndoas laminadas, sem casca, mas você pode fazer com amêndoas inteiras e conseguir uma receita mais escura. A minha ficou salpicada de pontinhos pretos porque adicionei uma pontinha de fava de baunilha enquanto batia.




Manteiga de Amêndoas:

2 e 1/2 xícaras de amêndoas laminadas OU 3 xícaras de amêndoas inteiras
1 processador eficaz
paciência

Aqueça suas amêndoas no forno a 180º. Eu gosto de deixar as amêndoas moreninhas - sem queimar -, pois prefiro o gosto das amêndoas tostadas. Despeje as amêndoas, ainda quentes, no processador e bata até obter uma manteiga bem lisa.
Triture, triture e triture. Assim como na manteiga de amendoim, as amêndoas viram uma farofa e grudam nas paredes do processador: você tem que parar de bater e soltar a massa das paredes, aproveitando pra misturá-la. Esse processo é repetido algumas vezes, até que as amêndoas vão começar a soltar o óleo e sua manteiga vai aparecer. É lindo, e quanto mais você bater, mais lisinha sua manteiga vai ficar.

Homemade Almond Butter:

2 1/2 cups sliced almonds OR 3 cups whole almonds
a nice food processor
patience

Roast your almonds at a 180º oven untl they are light brown and smelling good. Transfer them to the food processor and start processing. Work it , work it, work it. Scrape down the almonds from the food processor, as needed - you will have to repeat the process some times, until almonds start to release its oil and your almond butter will appear! It's so lovely, and the more you pulse your almonds, the smoother the butter gets. 


 

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Segunda Sem Carne: Risotto de Arroz Vermelho (How to: Red Rice Risotto)

Vocês lembram de quando eu postei a receita de Risotto de Espinafre com Arroz Cateto

Na época, eu disse que minha tradição sempre foi fazer risotto com meia garrafa de vinho pra mim, meia garrafa pra panela, além de bastante manteiga e queijo. Na minha cabeça, sem tudo aquilo não tinha jeito de conseguir um risotto cremoso e gostoso. 

Bobagem, gente. 

Às vezes a gente insiste nas "fórmulas clássicas" por pura teimosia. Não dá pra confundir a cremosidade de um Risotto, em que o amido do arroz é bem trabalhado - porque a gente mexe ele bastante - com aquela coisa de se adicionar queijo e manteiga ao final, porque esses ingredientes derretem e são cremosos. É normal confundir. 

Queijo e manteiga são, sim, capazes de transformar as maiores gororobas em pratos ~bacanas~. Me sinto muito feliz de conseguir fazer uma comida saborosa sem ter que apelar pra eles! <3 

Acreditem: dá pra conseguir um risotto cremoso e saborosíssimo sem nenhum desses ingredientes. Aqui em casa, a gente AMA arroz vermelho. Além de ser muito gostoso, ele é lindo e fica perfeito acompanhando um feijãozinho, sob a forma de bolinhos ou salada de arroz vermelho.... e também como risotto, claro! 

Um amor, um amor.

O cozimento dele é mais lento, por isso recomendo que você cozinhe uma boa quantidade - só na água com um pouquinho de sal e congele porções desse arroz. Sim, você leu certo, dá pra cozinhar ele só na água com sal, sem necessidade de óleo, azeite, alho ou outros temperos. 

Na minha opinião, ele já tem um sabor forte e pede uma base de cozimento neutra - os sabores você agrega depois, como eu fiz nessa receita! =)

Cozinhou aquele arroz vermelho (tem uma "colinha" pra fazer um arroz esperto no final do post!)? Reserva umas 3 xícaras generosas desse arroz e agora, sim, partiu receita:



Risotto de Arroz Vermelho:

3 xícaras de arroz vermelho cozido
1/2 xícara de aipo picadinho
1/2 xícara de pimentão vermelho
1/2 cebola roxa picadinha
1 tomate picado (com pele, sem sementes)
1 xícara de palmito picado (pode usar mais)
1 1/2 xícara de água (aproximadamente, pode ser que seja necessário usar mais)
salsa picadinha a gosto (opcional)
azeite de oliva ou outro óleo de sua preferência
sal e pimenta do reino a gosto

Em uma panela, aqueça 3 colheres de sopa de azeite ou óleo de sua preferência e comece refogando o aipo e o pimentão vermelho por 2 minutos em fogo médio. Após, adicione a cebola e refogue por mais 2 minutos, até tudo ficar ligeiramente douradinho. Adicione o palmito e o tomate, dê uma boa mexida e acrescente o arroz. Misture tudo e adicione a água. Aumente o fogo até a água ferver e dê umas boas mexidas. Em seguida, reduza o fogo - a água e os tomates vão garantir a cremosidade do risotto, vá mexendo delicadamente até ele chegar no ponto adequado - lembre que o arroz já está cozido, você só vai controlar a cremosidade dele, pode até acrescentar mais um pouquinho de água se achar necessário. 
Ajuste o sal, a pimenta, salpique bastante tempero verde (eu amo salsinha, mas se você preferir, pode usar coentro, manjericão...) e sirva imediatamente.

Red Rice Risotto:

3 cups cooked red rice
1/2 cup chopped celery
1/2 cup chopped red bell pepper
1/2 cup chopped shallots
1 chopped tomato (no seeds)
1 cup chopped heart of palm
1 1/2 cups of water (approx)
chopped parsley (optional)
olive oil
salt and pepper to taste

In a pan, heat the oil and sautée the celery and red bell pepper for 2 minutes. Add the shallots and cook for more 2 minutes, until light golden. Add the tomatoes, heart of palms and rice. Combine everything then add the water, giving your risotto a good stir. Let it simmer, then reduce the heat - the water and tomatoes will ensure it gets creamy. Stir your risotto until it gets the desired creaminess - remember that it's already cooked, you can add more water until it gets nice and creamy. Adjust salt, pepper, add freshly chopped parsley (it's optional, you can use any other herb, such as basil or fresh coriander) and serve it straight away. 









sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Drink de Sexta: Iced Coffee Chococcino (sem lactose).

Depois de muito pensar, resolvi criar um dia temático aqui no blog: DRINK DE SEXTA!!! Pra inaugurar esse dia de festa e alegria, resolvi unir duas coisas que eu AMO. 

1. nespresso
2. chocolate

PAH.

Eu adorava os cafés gordos e elaborados de uma certa cafeteria, mas eles são tão cheios de açúcar, gordura, chantilly e xaropes que eu até 
Como passar vontade não é comigo, numa tarde de TPM criei esse drink semi-gordinho, com um leite vegetal super do bem: Iced Coffee Choccocino



Eu não sei se vocês sabem, mas a Nespresso tem umas cápsulas com sabores diferentes: baunilha, caramelo e chocolate - Vanilio, Caramelito e Ciocattino, respectivamente. Desses 3, o Vanilio é, de longe, meu preferido. Mas como o negócio aqui era chocolate, botei pra jogo uma maravilhosa cápsula de Ciocattino, o nespresso de ~chocolate~. 

Não tem Nespresso? Sem problema. Você só vai precisar de um café caseiro mais forte, pra poder dar sabor ao drink! 

Não tem intolerância a leite de vaca? Faz com ele, fica a teu critério!

Quer realmente comemorar a sexta-feira? Acrescenta uma dose de Amarula ou Bailey's, que aí é pacabá!!! 

Iced coffee Choccocino:

1/2 xícara de leite vegetal (aqui no blog tem receita de Leite de Amêndoas, Côco ou Castanha)
3 pedras de gelo 
1 cápsula de Ciocattino - extraído no modo Lungo (110 ml de café)
10 gramas de chocolate amargo (de preferência, acima de 50% de cacau - eu usei o "Cacao Trinitario de Bahia", da cooperativa Cabruca, que produz e exporta cacau orgânico)
Adoçante da sua preferência

Coloque um quadrado de chocolate no fundo de uma xícara ou copo. Extraia um Ciocattino Lungo por cima do chocolate (para derretê-lo) e deixe esfriar. 



Em um liquidificador, bata o leite vegetal com as pedras de gelo até desfazer as pedras. Junte o café com chocolate derretido e bata bastante, até ficar bem incorporado. Adoce a gosto. 



Despeje em uma taça e decore com raspinhas de chocolate. Esse ralador da foto se chama Microplane e é apenas uma das coisas mais maravilhosas já inventadas. Ele vai deixar seu Chococcino assim, essa maravilhosidade, ó: <3 




quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Como fazer: Salada Brasileira (How to: Brazilian Salad)

O nome dessa salada é uma brincadeira. Já contei por aqui que tenho mania de "batizar" meus pratos, e quando vi essa saladinha verde e amarela, não resisti! <3

Foi o tipo de receita que saiu no susto, pegando todos os "restinhos" que tinha na geladeira. Eu não sei vocês, mas pra mim, essa é a melhor forma de se cozinhar, quando a gente se restringe a gente fica TÃO criativo... limpar uma geladeira é comigo mesma!

Estava sem folhas pra fazer salada - e o outro prato seria um risoto de arroz vermelho (a receita vem na #segundasemcarne, fiquem ligados!). De jeito NENHUM que eu ia comer carboidrato purinho... Tinha que descolar uma salada fresca e crua pra acompanhar.

Como foi dia de feira e ainda não tinha lavado nada, tinha exatamente 2 rodelas de abacaxi, cebola roxa, aipo e um pimentão amarelo pra fazer uma salada. Em tempos de "aumentos de Light", "apertem os cintos" e "não tá fácil pra ninguém", não queria inventar de fazer molho elaborado, e confesso que não estava botando muita fé no resultado dessa combinação... 

mas aqui reinou a simplicidade, e acho que foi isso que deixou essa salada maravilhosa:



Salada Brasileira:

2 xícaras de aipo cortadinho
2 rodelas de abacaxi cortado em cubinhos (não tão pequeno ou ele despedaça)
1/2 xícara de pimentão amarelo cortado em cubinhos (aí sim, pequenos)
1 col  sopa de cebola roxa miudíssima (opcional)
1 col sopa salsa picadinha (opcional)
2 col sopa azeite
2 col sopa vinagre branco
sal a gosto

Misture todos os ingredientes, junte os temperos, ajuste o sal e sirva. <3


Brazilian Salad:

2 cups chopped celery
2 pineapple slices chopped (not too small or they fall apart)
1/2 cup yellow pepper, chopped into small cubes
1 tbsp shallots 
1 tbsp fresh parsley, chopped
2 tbsp extra virgin olive oil
2 tbsp white vinegar
salt

Combine all the ingredients, adjust the salt and serve. <3

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Segunda sem carne: Molho Mágico de Salada (How to: Magic Salad Sauce)

Salada. 

Tá aí uma coisa sem a qual não consigo mais viver. Mas nem sempre eu fui assim, viu? Engraçado que na minha casa, minha mãe sempre teve o hábito de colocar na mesa folhas, legumes, para os quais eu torcia o nariz sistematicamente. Ah, se eu soubesse... 

... a diferença que um molho faz numa salada, não deixaria de comer NUNCA só por preguiça da combinação azeite, vinagre e sal (que eu sempre preferi comer como molho de pão, hahaha). Uma salada variada, coroada com um molho gostoso é ALGO, gente. 

Sentir prazer em comer é uma coisa da qual eu não abro mão. E esse molhinho aqui, ó: reina quase absoluto aqui em casa. 

Batizei de molho mágico porque quando coloco os ingredientes, não tem quem diga que vai virar essa delícia, então sim, o processo é mágico! <3

É fácil, barato e muito simples. Você só precisa de um liquidificador OU um mixer pra colocar a magya em ação:



Molho mágico de salada:

1 tomate inteiro (SIM, com pele, e sementes)
1/2 cebola
1/2 xícara de azeite extra virgem
1 colher de sopa de mostarda (eu prefiro usar a Dijon, super forte)
1/2 dente de alho (opcional)
Sal a gosto

Bata todos os ingredientes no liquidificador ou mixer, despeje em um pote e sirva. 



Magic Salad Sauce:

1 whole tomato
1/2 onion
1/2 cup extra virgin olive oil
1 tbsp Dijon mustard
1/2 colve of garlic (optional)
Salt

Blend all the ingredients in a mixer or a blender, pour into a small bowl and serve.

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Frango Assado com Crosta de Ervas (Herb Crusted Roast Chicken)

Eu não sou a melhor pessoa do mundo pra dar dicas a vocês sobre o cozimento de carnes em geral, pelo seguinte motivo: quase não como. Me pergunta de abobrinha, mas não me pergunta de frango.

Porém, como não sou vegetariana, volta e meia acabo, sim, comendo carne. Mas quando faço essa opção, faço questão de preparar alguma receita gostosa! Comer por obrigação não dá, e peito de frango grelhado todo dia é #boring demais... 

Acho certo tratar aquele alimento como um luxo sim, porquê não? Pensa em todo o processo envolvido para a comida chegar até você... não dá pra desperdicar, ESPECIALMENTE carne. 

Então, antes de mais nada, minha dica é: vai cozinhar carne? Se prepare pra utilizar todas as sobras em outras receitas, pense com antecedência no que você pode fazer para consumir tudinho, nem que tenha que congelar. =)

Peito de frango é um dos cortes mais práticos que encontramos num mercado. Quem faz dieta costuma consumir bastante - geralmente grelhado. Eu não sou a maior fã de peito de frango grelhado feito em casa, pois acho que "enfumaça" a cozinha.

O que eu faço? ASSO. Depois ele pode ser congelado, picado, desfiado, usado de recheio em sanduíche, tapioca (AMO), crepioca, o que você quiser. Só não deixe carne estragar. Combinado? 

Aqui em casa a gente costuma comprar o frango da marca Korin. Ele é um pouco mais caro, mas não é bombardeado com antibióticos ou estimulantes de crescimento. Até onde eu sei, a ração fornecida é orgânica - ou com a maioria dos ingredientes cultivados pelo método natural.



Frango Assado em Crosta de Ervas:

3 filés de peito de frango limpos (comprei uma bandeja com +- 600 gramas)

Crosta de ervas:
6 dentes de alho grandes
3 ramos de alecrim
1 col sopa grãos de pimenta preta
4 col sopa de azeite
1 colher de chá de sal grosso
1 col sobremesa de Tempero 7 vegetais (sem sal)
raspas de 1 limão
suco de meio limão

Triture todos os ingredientes da crosta de ervas em um pilão ou processador.
Unte uma assadeira antiaderente com azeite, disponha os filés e espalhe a mistura por cima de cada filé, tomando o cuidado de cobrir bem cada filé com a crosta. Cubra a assadeira com papel alumínio e  asse em forno pré aquecido a 200º por 20 minutos. Retire o papel alumínio e deixe mais 10 minutos, aproximadamente, até a crosta dourar. 
Sirva em seguida.  

Aqui, o franguinho em ação com o Ratatouille (receita aqui), arroz integral e salada com molho mágico (receita em breve):



I'm SO not the best blogger to post about meat, because I just don't eat it on a daily basis. But it just so happens that since I'm not a vegetarian, every once and a while I do eat meat. However, whenever I do so, I try to make the most delicious recipe I can.

Treat meat like some sort of luxury product. Yes, think about all the process involved until you finally bought that package at the super market... the least you can do is make the most of it. No food wasting, please. 

We tend to use Korin chicken, it's a bit more expensive, but they do not receive drugs, antibiotics or hormones, and are fed with organic feed. Ready to bake, looking like this: 




Herb Crusted Roast Chicken

3 chicken breast fillets (approx. 600 g)

For the herb crust:
6 big cloves of garlic
3 sprigs of rosemary
1 tbsp black pepper
4 tbsp olive oil
1 tea spoon sea salt 
1 tbsp 7 vegetables seasoning
zest of a lime
juice 1/2 lime

Process all the herb crust ingredients in a food processor or in a mortar and pestle.
Lightly grease a non sticking baking dish with olive oil, arrange the chicken fillets and coat them with the herb crust mixture. Cover with foil paper and bake in a previously heated oven at 200º for about 20 minutes. Remove the foil and bake for more 10 minutes, until the crust is golden and the chicken, cooked. 
Serve immediately.